Friday, December 26, 2014



2015: Seven Global Summits That Deserve Your Attention

Author: Stewart M. Patrick, Senior Fellow and Director of the International Institutions and Global Governance Program, Council on Foreign Relations
Dec 22, 2014
African Union Expert BriefA view of Mount Everest, the world's highest mountain, in the Himalayas (Tim Chong/Courtesy Reuters).


There are a lot of perks to being a world leader. Attending far-flung conferences, it’s safe to say, is not one of them. But however much Barack Obama and his counterparts grouse about jet lag, global summits will continue to play an indispensable part in governing an unruly world. Even when overly choreographed and scripted, these events give presidents and prime ministers a rare opportunity to establish a personal rapport, speak candidly on tough items, and break logjams to international cooperation. Herewith, a calendar of the seven summits to watch in 2015.
1. Summit of the Americas
For the seventh time since 1994, leaders of the Western Hemisphere will meet in April for their triannual confab, on this occasion in Panama. Established to promote democracy, growth, and security in the region, the forum has increasingly become a symbol of Latin America’s willingness to stand up to the United States. At the last Americas summit—in Cartagena, Colombia, in 2012—the United States was in the hot seat for its perceived failure to consider more creative approaches to the long-running war on drugs, which many Latin Americans blamed for high levels of crime and violence in their countries. The 2015 summit seemed destined to experience similar tensions, particularly after Latin American leaders disregarded longstanding U.S. policy toward Cuba, by insisting that Raúl Castro be invited to the Panama summit.
All that changed on December 17, when President Obama announced a softening U.S. stance toward Cuba. The prospect of gradual normalization between Washington and Havana should improve U.S.-Latin American relations. Neighbors of the United States will also be cheered by recent Obama administration shifts on drug policy, including a greater focus on public health approaches at home and more tolerance for decriminalization experiments abroad.
2. Nuclear Nonproliferation Treaty (NPT) Review Conference (RevCon)
Seven decades after atomic weapons were used for the first (and so far only) time, the 189 signatories to the NPT will gather in New York in May for the latest RevCon, which meets every five years. The atmosphere will be chilly.
Back in 2009, President Obama’s utopian Prague speech envisioned a world free of nuclear weapons. The following year, his administration helped engineer a successful 2010 RevCon that promised progress on the NPT’s three pillars—non-acquisition by new states, access to peaceful nuclear energy, and disarmament by nuclear states—as well as a WMD-free zone in the Middle East. The United States followed this up with a successful New START agreement with Russia.
How things have changed. The 2015 conferees will convene amidst growing pessimism about whether the NPT can survive the strains produced by an expanding North Korean arsenal, Israel’s anomalous position as an undeclared nuclear state, an accelerating nuclear race in South Asia, stalling by nuclear weapons states in meeting their Article 6 disarmament obligations, and the deep freeze in bilateral relations between the United States and Russia. The fate of the NPT—and the outcome of the RevCon—may well depend on whether Iran andthe P5+1 (the permanent five members of the UN Security Council plus Germany), which recently extended their negotiations, can finally reach agreement on the future of Iran’s nuclear program.
3. Group of Seven (G7) summit: On June 6–7, German Chancellor Angela Merkel will host other leaders of the world’s richest democracies at Schloss Elmau, a luxury castle (appropriately enough) in the Bavarian Alps. This marks the second straight year that the G7 nations—Canada, France, Germany, Italy, Japan, the United Kingdom, and the United States, joined by the EU—will meet withoutformer G8 partner Russia, suspended in March 2014 for seizing Crimea and fomenting separatism in Ukraine. The G7 has exhibited surprising resilience, serving as a useful coalition of the likeminded, advanced market democracies, at a time when the post-1945 liberal international order is under increasing strain.
Germany’s announced priorities for the summit include promoting macroeconomic coordination, enhancing energy security, protecting the marine environment, fighting global diseases like Ebola, and empowering women worldwide. Important objectives, all. But the summit’s greatest value may be symbolic—namely, its embodiment of Western solidarity at a time of global turbulence.
4. Opening of UN General Assembly (UNGA)
From September 15–28, world leaders will descend on New York to open the seventieth session of the UNGA, snarl Manhattan traffic, and (if the past is prologue) deliver a few colorful jeremiads from the UN podium. Beyond the usual atmospherics, the special session will focus on what the world has done—and has left to do—to fight global poverty. Leaders will celebrate the world’s progress—uneven, but nonetheless impressive—in meeting the Millennium Development Goals (MDGs) established in 2000, which are set to expire at the end of 2015.
More importantly, they will approve an even more ambitiousset of follow-on objectives—the Sustainable Development Goals (SDGs), designed to be both “people-centered and planet-sensitive,” in the words of UN Secretary-General Ban Ki-moon. As outlined in his recent synthesis report [PDF], the proposed SDGs envision seventeen goals (compared to only eight MDGs) and a whopping 169 targets, covering everything from reducing inequality to halting biodiversity loss.In the run-up to September, we can expect intense battles between wealthy and poorer nations about how best to define and alleviate poverty—and between diplomats who want to trim the long list of targets and NGO advocates determined to preserve it.
5. Group of Twenty (G20) leader’s summit
On November 15–16, leaders of the world’s most important developed and developing countries will convene in Antalya, Turkey, which will hold the rotating chair in 2015. In contrast to the “back to basics” approach of the G20’s 2014 Australian chair, the Turkish government has signaled its intent to tackle a broader range of global challenges—including climate change, energy, trade, development, and investment.
Ankara’s ambitions will discomfit some G20 members—including China and the United States—that have long favored a narrow G20 agenda focused on macroeconomic coordination and financial regulation. But there is intuitive appeal in broadening the ambit of the G20, which is the only forum where leaders of the biggest advanced and emerging states meet exclusively. Moreover, leaders will inevitably feel compelled to discuss the major issues of the day, whatever is on the formal agenda. Turkey’s plans add even more justification for creating a G20 foreign ministers’ track, which might run alongside the current finance ministers’ meetings. The main wild card at the G20 summit, however, may be the increasingly autocratic and erratic behavior of Turkey’s president, Recep Tayyip Erdogan.
6. Asia-Pacific Economic Cooperation (APEC) summit
Back in 1993, Australian Foreign Minister Gareth Evans dismissed APEC as “four adjectives in search of a noun.” Two decades later, this heterogeneous, twenty-one-member forum of dynamic Pacific rim economies has become an indispensable multilateral institution at both the economic and, more surprisingly, political levels. With the World Trade Organization stuck in the doldrums, APEC has become a venue for plurilateral trade liberalization. But it also serves a geopolitical purpose, as a way to anchor China into global regimes based on Western rules, and to temper its more unilateral instincts in the region. This year’s summit in Manila will focus on “building inclusive economies” in response to a public perception that APEC has lagged on this issue. The Filipino hosts also plan to proceed with a study on establishing a Free Trade Area of the Asia-Pacific—a proposal the United States attempted to block at last year’s summit to maintain a focus on its favored Transpacific Partnership trade agreement that will (at least for some time) exclude China.
7. Twenty-First Conference of Parties (COP-21) to the UN Framework Convention for Climate Change (UNFCCC)
The most important global summit of 2015 will be the last. From November 30 to December 11, all eyes will be on Paris. There, 190 parties to the UNFCCC will try to hammer out a legally binding, universal agreement on greenhouse gas (GHG) emissions targets to replace the Kyoto Protocol, one that will stop temperatures from rising more than two degrees Celsius. They have their work cut out for them. At this month’s COP-20 in Lima, developing countries finally joined developed ones in agreeing to submit national plans to rein in GHGs (a major advance from Kyoto, which placed obligations only on the rich). Despite this breakthrough, the Lima meeting failed to create a robust mechanism for comparing levels of national effort, or to provide details on how new developing world initiatives will be financed.Meanwhile, the UN climate change secretariat warned that combined pledges are still likely to fall well short of what is required to prevent catastrophic temperature rise.

Saturday, December 20, 2014


Prezados Amigos, Conhecidos e Inimigos,

Bom Dia!

Segue um alerta e sugestão para minimizar a corrupção nas Concorrências de grande porte na Petrobras.

Já se vão 43 anos, na década de 70, do Século XX, quando trabalhei em uma Grande Empreiteira que prestava serviços à Petrobras e que não mais existe; em uma área de vendas de serviços de engenharia. Mas as minhas vendas eram de elevada conduta moral. Por isso perdi o emprego. Mas nas prestações de Construção e Montagem, as ações eram de elevada amoralidade. Eu não pertencia a esta área Comercial. As lideranças militares eram enganadas por estes grupos. Pode ser que muitos poucos tenha manchado a imagem das FFAA.

Por exemplo:  A Petrobras planejava a construção de 5 Refinarias.  Classificavam-se  5 grandes Empreiteiras. O Cartel estava formado. A Reunião das 5 existia dentro do prédio onde  trabalhava. Pois cada uma ia ganhar uma Obra. O Departamento de Engenharia da Petrobras fazia uma minuciosa avaliação da Obra. Os valores estimados faziam parte de um dossiê  que era remetido ao Departamento Jurídico – para parecer.

Os advogados da Petrobras tem liberdade de agir como consultores autônomos em horas vagas. Não sei se hoje em dia é assim.

Como têm liberdade de sair  e entrar a qualquer hora, podem ser portadores de notícias que contem o dossiê. Quantas vezes presenciei o Chefe da Elaboração de Proposta de Empreiteira  almoçando com Representantes do Jurídico, no período da concorrência.  

 Vamos supor que para a primeira “CONCORRÊNCIA”, por exemplo, a Petrobras  tenha avaliado em US200 milhões um “turnkey Job”. As empreiteiras combinavam entre si, que a Empreiteira A, seria a primeira ganhadora. Exemplo: Empreiteira A apresentaria um preço de  US$ 1 Bilhão – as de mais 3,5/ 4,3/ 5/ 5,5/ e 5,7.  O susto era geral entre os  Funcionários Técnicos  da Petrobras – Nesta época predominava ainda Engenheiros honestos, no que diz ao Capital Moral e principalmente ao Capital Material ($).

A Petrobras jamais deveria aceitar entregar esta obra por este preço. A Saída seria só aceitar com uma oscilação de +/- 25% no máximo. Caso contrário abriria A CONCORRÊNCIA PARA MULTINACIONAIS SEM ADITIVO CONTRATUAL e sem parceria com as Nacionais como subcontratante.

Esta ideia de que tudo do dossiê tem que passar pelo Jurídico e que este tem que dar a última palavra dá no que está dando.

Jamais poderemos aceitar que escritórios de advocacia prestem serviços ao Departamento Jurídico da Petrobras.

Assim sendo desejo-lhes,

Saúde, com respeito e Fraternidade,

Paulo Augusto Lacaz 


Com cumprimentos,
Segue artigo.


Adriano Benayon * -  escreveu:

1. O Brasil vive batalha decisiva de sua História: a da sobrevivência da Petrobrás como empresa nacional. E isso com qualquer resultado, pois a eventual derrota poderá ser o marco, a partir do qual o povo brasileiro resolva partir para o basta e reverter o lastimável processo dos últimos 60 anos em que praticamente só acumula derrotas do ponto de vista estrutural.

2. Principalmente desse ponto de vista, porque, mercê da estrutura que se formou na Era Vargas, ainda foram colhidas - por muito tempo e até os dias de hoje - grandes vitórias em termos de desenvolvimento de tecnologia e capacidade produtiva no País.

3. O progresso estrutural do Brasil ocorreu, até 1954, não apenas em função de investimentos do Estado, mas também por ter este agido como promotor da indústria privada, tendo, antes daquele ano fatídico, surgido firmas nacionais de ótima qualidade, algumas das quais já se tinham tornado grandes. 

4. Essas foram as primeiras e grandes vítimas do modelo de dependência financeira e tecnológica adotado desde 1955 e no quinquênio de JK, quando o Estado, foi usado como promotor da desnacionalização da indústria, o que gradualmente levou à da dos demais setores da economia.

5. Os governos militares (1964-1984), embora se tenham submetido às regras e imposições do sistema financeiro mundial - criaram estatais importantes, como a EMBRAER, em 1969, possibilitada pela criação do Centro Técnico Aeroespacial (CTA), em 1946, e do Instituto Tecnológico de Aeronáutica(ITA), em 1950.

6. A EMBRAER foi uma das inúmeras grandes estatais criminosamente privatizadas pela avalanche de corrupção dos anos 90, que atingiu também a TELEBRAS, fundada em 1972, a qual igualmente gerara excelentes resultados em produções realizadas com tecnologia nacional, e foi  totalmente esvaziada pelas concessões entreguistas  do sistema de telecomunicações.

7. Em 1990, Collor, o primeiro presidente eleito pelo voto direto – de resto,  mediante incríveis manipulações, negadoras da essência da democracia – encaminhou a Lei de Desestatização, juntamente com denso pacote de legislação antibrasileira, formulado em Washington e meteoricamente aprovado pelo complacente Congresso.

8. Interessante que os governos militares – não só haviam mantido as estatais da Era Vargas - mas criaram várias outras. Entretanto, os indivíduos  ideologicamente amestrados atribuem comunismo ou esquerdismo aos que, em favor do desenvolvimento, reconhecem  a importância de empresas e de bancos estatais.

9.  Se não estivessem mentalmente controlados pelo sistema de poder mundial veriam que as estatais, além do que realizam diretamente, são fundamentais para viabilizar, ao abrir concorrências,  encomendas e financiamento a empresas privadas nacionais, que, com isso, geram empregos qualificados e elevam o padrão tecnológico do País.

10. Ademais, acabar com as estatais significa deixar à mercê dos carteis e grandes grupos privados o grande espaço estratégico – como é o caso da indústria do petróleo e derivados – inevitavelmente ocupado por empresas de grande porte, nos quais a dimensão inviabiliza a concorrência honesta entre empresas privadas.

11. Antes de explicar por que a corrupção não é inerente à natureza das estatais – ao contrário do que imaginam os impressionados pelos inegáveis escândalos de corrupção que têm assolado a Petrobrás – convém lembrar a incoerência dos que se escandalizam com a brutal concentração de renda, cada vez mais acentuada em todo o mundo, e propõem privatizações, cujo efeito tem sido tornar a concentração econômica ainda mais aguda e socialmente insuportável.

12. De fato, todos estão tendo acesso a informações de que, neste mundo de sete bilhões de habitantes, pouco mais de cinquenta grupos financeiros controlam praticamente todas as transnacionais em atividade no Planeta. Fosse isso pouco, o analista da moda, Thomas Piketty, tem observado que  a concentração de riqueza tem sido grandemente subestimada,  mesmo nos países sedes da oligarquia financeira mundial.

13. E por que foi implantada a corrupção na Petrobrás? Porque a estrutura de poder político já se tornara dominada pelos interessados em desmoralizá-la e eventualmente privatizá-la e/ou liquidá-la. Amiúde, o primeiro passo dos agentes imperiais é minar e desmoralizar a administração estatal, para justificar a privatização.

14 De fato, a corrupção foi intensificada durante governos aqui instalados (Collor e FHC) com o projeto de tornar definitivo e irreversível o atraso do Brasil e sua submissão aos centros de poder mundial, na vil posição de fornecedor de recursos naturais, presidindo a abertura de buracos no lugar das estupendas reservas de minerais estratégicos e preciosos, sem que isso sequer impedisse o crescimento vertiginoso dos déficits de comércio exterior e do endividamento público.

15. A desnacionalização predadora não começou com os dois que foram os primeiros eleitos sob o novo regime pretensamente democrático.  Mas eles fizeram profundas reformas na estrutura de mercado –  com o usual beneplácito do Congresso - para torná-la ainda mais  talhada de acordo com os interesses dos carteis transnacionais.  E o PT não fez reverter essa tendência.

16. Em relação à Petrobrás, FHC promoveu a aprovação da Lei 9.478, de 06.08.1997,  que eliminou, na prática, a norma constitucional do monopólio da União na  produção,  refino e transporte do petróleo, não formalmente revogada.

17. Essa lei permitiu, assim, a exploração de imensas jazidas descobertas pela Petrobrás na plataforma continental,  por carteis transnacionais, liderados pelas gigantes empresas anglo-americanas - que,  há mais de um século,  têm preponderado no produto de maior expressão no comércio mundial.

18. Ademais, dita Lei criou a Agência Nacional do Petróleo (ANP) no esquema de esvaziar a administração do Estado, terceirizando-a para  agências ditas públicas, dotadas de autonomia e postas sob a direção de executivos e técnicos ligados à oligarquia financeira anglo-americana.

19. Um desses, genro de FHC, David Zylberstajn, foi nomeado diretor-geral da ANP. Como lembrou o engenheiro Pedro Celestino Pereira, em excelente artigo, teve início, sob o comando de Zylberstajn,  ”o leilão das reservas de petróleo brasileiras, em modelo que não se aplica no mundo desde o primeiro choque do petróleo, permitindo à concessionária apossar-se do petróleo produzido, remunerando o Governo com royalties, ao invés de receber por prestação de serviços.” 

20. As constatações de corrupção nas encomendas da Petrobrás -  em inquérito da Polícia Federal, ainda não terminado -  estão servindo de tema para a campanha de desestabilização e impeachment da presidente da República, e também de argumento favorável à privatização.

21. Nenhum desses objetivos sustenta-se em bases justificadas, pois o autor da delação premiada tornou-se diretor da Petrobrás no governo de FHC, mentor do partido que se pretende beneficiar com a derrubada de Dilma Rousseff ou sua transformação em títere completo do capital estrangeiro, o qual tem no PSDB seus principais serventuários locais.

22. Ademais, o delator Paulo Roberto Costa praticou, ele mesmo,  os crimes que denuncia,  em prejuízo do patrimônio público e em ofensa à moralidade da Administração, como também cometeram políticos de diversos partidos que têm exercido cargos diretivos na Petrobrás.

23. Paulo Metri, conselheiro do Clube de Engenharia,  reafirma ser indispensável investigação profunda na estatal.  Ressalva, porém, que a exposição antecipada de fatos  investigados pode ter tido por meta somente  derrubar as intenções  de votos pró-Dilma.  

24. Assinala que a presidente não tolheu as ações da Polícia Federal, nem tem um engavetador para sumir com os processos. Nota: alusão ao PGR de FHC, conhecido como  engavetador-geral da República. 

25. Metri considera imprescindível punir, com rigor, os agentes públicos comprovadamente corruptos e também os esquecidos corruptores. Até porque, mais que o desvio de dinheiro, a corrupção com a Petrobrás atinge a auto-estima de que o País precisa para realizar seu projeto nacional.

26. Em relação à Petrobrás, é fundamental corrigir os vícios nela implantados e viabilizar seus investimentos, cuja enorme rentabilidade está assegurada em função das colossais descobertas que a estatal obteve na plataforma continental e no Pré-sal. 

27. A  Petrobras – aduz  Metri - tem vencido  obstáculos, como extrair, de grandes profundidades e a distâncias da costa cada vez maiores, petróleo escondido abaixo de camadas incomuns, mercê de tecnologias especiais desenvolvidas  por técnicos da estatal.

28. A qualidade destes  depende da motivação e  de que não sejam preteridos por políticos em cargos de direção nem por terceirizados.

29. Celestino e Metri lembram que FHC elevou desmesuradamente o salário de gerentes e superintendentes, o que os fez, por demais, temerosos de perder seus empregos, e omissos em resistir contra decisões suspeitas, tal como ocorre com terceirizados. Ademais, FHC liberou a  Petrobrás de  cumprir a Lei de Licitações, apoiado por decisão do ministro Gilmar Mendes, no STF.

30. Não basta para reverter o descalabro, evitar que Dilma seja substituída por alguém mais propenso a aceitar as imposições imperiais. Há que dar passos na restauração da soberania nacional, ferida inclusive pela alienação, quase graciosa, de 40% das ações preferenciais da Petrobrás, após a promulgação da Lei 9.478/1997, e pelos leilões do petróleo da plataforma continental e do Pré-sal, nos governos do PT.

* - Adriano Benayon é doutor em economia pela Universidade de Hamburgo e autor do livro Globalização versus Desenvolvimento.

Friday, December 19, 2014

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante Solenidade de Diplomação no Tribunal Superior Eleitoral - Brasília/DF



Gostaria muito de participar diretamente subordinado a V.Ex.ª para colaborar com novas ideias de cunho SOCIAL, no que se refere a Reforma Política. 

Admiro Vossa Luta! Estou enviando em CCo para uns 5.000 e-mails este seu admirável discurso.

Sou Patriota e Nacionalista Moderado.

Sem mais, desejo-lhe,

Saúde, com respeito e fraternidade

Paulo Augusto Lacaz

Wednesday, December 3, 2014


O encontro ocorreu na noite desta segunda (1) e teve a participação
 do vice-presidente Michel Temer e do ministro da Casa Civil, 
Aloizio Mercadante. Ao sair da reunião com a presidenta 
Dilma Rousseff, o deputado Henrique Fontana afirmou que a redução
 da meta fiscal, a ser votada pela Câmara, representa a manutenção
 do nível de emprego e renda, além da garantia dos investimentos
 em infraestrutura. Saiba mais: